6 Estratégias Naturais no Tratamento da H. Pylori

Por Bruna Correa – A Helicobacter pylori é uma bactéria gram-negativa que coloniza principalmente o estômago.

Na maioria das vezes a infecção pela H.pylori é assintomática. Porém, dependendo do hospedeiro (nosso corpo), essa infecção pode se tornar sintomática e desencadear úlcera péptica (gástrica ou duodenal), gastrite crônica e câncer gástrico.

A dieta e imunidade influenciam diretamente o desfecho da infecção. Algumas estratégias alimentares podem auxiliar no tratamento.

Lactoferrina:

É uma glicoproteína com propriedade antibacteriana, encontrada no leite materno e podemos utilizar via suplementação.

Isotiocianatos:

São substâncias com ação anti cancerígenas, encontrada nas brássicas (couve-flor, couve de bruxelas, rabanete, repolho…).

Sulforafanos

É uma substância do grupo dos isotiocianatos, com ação na inibição do crescimento da H. Pylori e também ação antibacteriana, encontrado principalmente no brócolis;

Compostos Fenólicos:

Possuem atividade bacteriostática, encontrados em frutas, com destaque para as frutas vermelhas e arroxeadas (mirtilo, framboesa, morango e amora). O mirtilo mostrou reduzir a adesão de H. pylori à células epiteliais da mucosa.

Mel:

Ação antibacteriana, inibe atividade da urease, enzima responsável pela degradação da ureia em amônia e bicarbonato, deixando o estômago com pH alcalino (hipocloridria), favorecendo a proliferação bacteriana (h. Pylori).

Ômega 3 e Ômega 6 (não refinado):

Tem propriedades para inibir o crescimento da H Pylori, essas gorduras são ricas em polifenóis, com ação bacteriostática. Encontramos no óleo de peixe, óleo de gergelim, óleo da semente de uva…

Probióticos:

Algumas cepas tem ação antibacteriana, modulando a imunidade do hospedeiro, promovendo a produção de ácido lático que vai dificultar a adesão bacteriana.

 Alho:

Ação antibacteriana, efeito anti-H Pylori.

Chá Verde:

Ação antibacteriana contra a H. Pylori, reduzindo o crescimento das bactérias e a inflamação causada pela infecção.

Compartilhe esse conteúdo, você pode ajudar outras pessoas!

DOI: 10.5114/pg.2016.61487
DOI: 10.3389/fendo.2021.639856
DOI: 10.1016/j.ijantimicag.2008.10.032
DOI: 10.1128/aem.66.5.226

Veja Também:

Sobre H. Pylori

Para enviar seu comentário, preencha os campos abaixo:

Deixe seu comentário:

Seja o primeiro a comentar!