Pular para o conteúdo

Conheça as Causas Mais Frequentes de Excesso de Gases

Por Ligiane Loureiro – Descomplicando Intestino – Apesar de ser uma condição comum e que conta com sintomas dos mais variados, como ruídos abdominais, desconforto no estômago, cólicas, dores e diarreia, o excesso de gases podem ser motivos para um mal estar pessoal e social.

Mediante a essa condição e ao frequente relato de desconforto apresentado pelos pacientes, o que podemos fazer enquanto Nutris para auxiliar o nosso paciente?

Pois bem, inicialmente é válido ressaltar que a quantidade de gás produzida, sua composição e a frequência de passagem, dependem de diferentes fatores como dieta, idade e o estado fisiológico e médico do indivíduo.

As causas mais frequentes de excesso de gases estão ligadas a dietas ricas em FODMAPs, isto é, composta por alimentos com frutose, lactose, fruto- e galacto-oligossacarídeos (frutanos e galactanos, respectivamente) e polióis (sorbitol, manitol, xilitol e maltitol), além de alimentos industrializados, má mastigação, hipocloiridria, disbiose, dentre outras situações.

Quando, indivíduos saudáveis, foram submetidos a uma dieta com alto FODMAP, foi relatado um aumento significativo de flatulência quando comparados a uma dieta com baixo teor de FODMAPs.

Além disso, os alimentos mais comumente ligados ao aumento do excesso de gases, são as leguminosas, leite e seus derivados.

Sabe-se, também, que a ingestão de alimentos gordurosos atrasa o esvaziamento gástrico e pode exacerbar os sintomas desagradáveis associados ao excesso de gases.

Assim, pensando no caráter fermentativo da microbiota intestinal e nos alimentos ricos em FODMAPS, de forma inicial, uma estratégica dietética a ser implementada seria de uma dieta low-FODMAPS, hipolipídica e mais fracionada, afim de diminuir os substratos fermentativos e diminuir o tempo de esvaziamento gástrico.

Além disso, é importante orientar o paciente sobre outros comportamentos, como a mastigação adequada e não ingerir líquidos durante as refeições.

Gostou do post e vai implementar as estratégias em seus pacientes?!

DOI:10.1002/food.19880320626
DOI:10.1111/j.1440-1746.2010.06433.x

Autoria: @ligianeloureironutri
PhD em Ciências Nutricionais/UFRJ
Idealizadora do Método DI

*PDN

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Deseja receber notificações sobre as atualizações mais recentes? Sim Não