Metais Pesados O que diz a Ciência?

Por Adriana Siqueira – Metais Pesados O que diz a Ciência? Vinte e dois artigos originais foram identificados (18 oligoelementos, incluindo um total de 1.014 crianças com TEA (transtorno do espectro autista) e 999 controles saudáveis).

Anúncios

Em crianças autistas, os níveis gerais de bário (Ba), mercúrio (Hg), lítio (Li) e chumbo (Pb) foram maiores. Houve diferenças significativas nos níveis de cobre (Cu) no cabelo e soro entre crianças autistas e o grupo controle.

Os níveis de Hg, Li, Pb e selênio (Se) no cabelo de crianças autistas foram maiores do que os de crianças saudáveis, enquanto os níveis de zinco (Zn) no sangue foram menores.

A exposição excessiva a metais pesados ​​tóxicos e a ingestão inadequada de elementos metálicos essenciais podem estar associadas ao TEA.

Outros estudos identificaram que há uma dificuldade de destoxificação associado ao autismo, ou seja, recebe o tóxico e não consegue eliminar efetivamente.

No geral, essas descobertas apoiam políticas que defendem a limitação da exposição a metais neurotóxicos, principalmente para mulheres grávidas e crianças pequenas, a fim de ajudar a reduzir a crescente incidência de TEA.

Anúncios
Metais Pesados - O que diz a Ciência?
Receba Atualizações no Canal do Telegram

Avaliar o período crítico em que a exposição pode afetar o desenvolvimento e investigar fatores potenciais que podem aumentar ou melhorar o efeito dos metais.

Não somente com o autismo, mas o aumento e a exposição a tóxicos durante a gestão e nos primeiros anos de vida do bebê podem influenciar negativamente no neurodesenvolvimento.

Não são todos os autistas que terão metais elevados, mas é importante saber a respeito e investigar através de exames de sangue, urina e cabelo.

DOI 10.1016/j.jtemb.2021.126782

5/5 - (1 vote)

Para enviar seu comentário, preencha os campos abaixo:

Deixe seu comentário:

Seja o primeiro a comentar!