Seus Gases podem ser Culpa do Stress

Sim. Você não leu errado. Se você vive no modo Chihuahua com tremelique, as chances da sua digestão ir pro saco são enormes. E com isso você ganha de brinde alguns gases e a famosa barriguinha de grávida de Taubaté.

Quando estamos estressados, nosso corpo entra em um estado de “luta ou fuga”, liberando hormônios do estresse, como cortisol e adrenalina, que “desviam” o fluxo sanguíneo de órgãos como o estômago e o intestino para órgãos vitais como o coração e os músculos.

Afinal, estamos falando de um mecanismo evolutivo de sobrevivência. Dane-se a digestão, você precisa sobreviver. O problema é que não existe uma distinção tão boa do que é “corre que o bicho da vindo” e “Porra, Cleiton. Outro relatório?”.

E essa mudança no fluxo sanguíneo para o trato gastrointestinal pode afetar a capacidade do estômago em produzir ácido e também pode diminuir o fluxo de sangue para o intestino, afetando a motilidade intestinal e a absorção de nutrientes.

E adivinha o que acontece que temos alteração na produção de ácido? Também teremos um prejuízo na produção de suco pancreático e com isso os alimentos não são quebrados adequadamente em moléculas menores para serem absorvidas pelo corpo.

Como resultado esses alimentos chegam ao cólon sem serem completamente digeridos, onde as bactérias do cólon fazem a festa e a fermentação corre solta. E como subproduto dessa fermentação, temos gases como hidrogênio, metano e dióxido de carbono. Pronto, você ativou o modo grávida de Taubaté.

E não pense que só porque você talvez não tenha gases que está tudo bem. As consequências do estress na digestão não param por ai, meu jovem gafanhoto, mas vamos deixar esse assunto para outro momento.

Querem que eu compartilhe algumas estratégias pra lidar com estresse na hora de se alimentar?

Seus Gases podem ser Culpa do Stress

Matéria do Nutricionista Felipe Rossini
.

Para enviar seu comentário, preencha os campos abaixo:

Deixe seu comentário:

Seja o primeiro a comentar!